• Início
  • Sobre a Autora
  • Textos
  • Poemas
  • Contato
  • Mudança...



    Há pouco mais de um mês, tomei uma decisão: quero perder peso, melhorar minha saúde e trazer mais qualidade de vida pra mim.


    Essas são decisões que você toma sozinho, por mais que as pessoas digam que você precisa disso, apenas você decide qual é o momento certo.



    E assim fiz, com a ajuda de uma das minhas irmãs, resolvi fazer um tratamento Ortomolecular.

    O primeiro choque: a quantidade de exames a serem feitos. Brinquei dizendo que pela quantidade estava mais pra transfusão de sangue do que um exame rsrs

    O segundo choque: a meta que meu médico estabeleceu. Até hoje dou risada dele dizendo “30 kilos a menos, o projeto aqui é Panicat”.

    O terceiro choque: a dieta estabelecida. Hoje, depois de um mês confesso: não acreditava que eu ia conseguir, era muito diferente do que eu estava habituada.

    O quarto choque: me fotografar de top e short de malhação e ver de verdade que eu não queria aquele corpo. Com isso chorei e me sentir mais firme na decisão tomada.

    Mesmo assim, com todos os choques, medo e inseguranças, eu precisava trabalhar o meu lado positivo: confiar em mim, me sentir capaz e ter foco.


    Nessa brincadeira, passei a negar algumas saídas, deixei de circular em shoppings, mudei os restaurantes e bares, passei a me dedicar mais ainda à atividade física, determinei horários para dormir e não saio de casa sem minhas refeições certinhas e de acordo com a orientação médica (virei marmiteira rsrs).

    Durante todo esse tempo, não sei o que é uma balança. Decidi não me cobrar, vendo diariamente quantos quilos ou gramas foram perdidos. Não queria cobranças minhas, não queria me sentir pressionada, pois sei o quanto sou boa nisso. E confesso, não penso naquela bendita meta, não quero enlouquecer.

    E essa é uma caminhada solitária, pois apenas nós sabemos das dificuldades e tentações superadas. As pessoas te incentivam, mas apenas você determina se essa caminhada terá sucesso ou não.

    Durante essas quatro semanas, as únicas coisas que me garantiam que estava dando certo eram as roupas ficando folgadas, os elogios das pessoas que convivem comigo e a minha disposição em seguir em frente.

    Ontem, um mês depois que tudo começou, voltei ao meu médico mais que querido e constatei que valeu a pena, me surpreendi com o resultado que aconteceu e escutar alguém dizendo "Você consegue, você pode mais" me encheu de alegria.

    Esse post é especial para minha irmã Camila e meu médico querido Lucas Casais da Health Prime.

    Beijinhos,

    Mah 



    1 comentários :

    1. Muito bom seu depoimento Mara, estou começando a minha nova caminhada amanhã.
      Boa sorte e Sucesso!

      ResponderExcluir